Práticas de transparência do financiamento ao desenvolvimento nas Américas: BNDES, BID e Banco Mundial

TRANSPARENCY PRACTICES ON FINANCING DEVELOPMENT IN THE AMERICAS: BNDES, IDB AND WORLD BANK

Felipe Rodrigues Siston[1]

 

Resumo

O artigo levanta práticas de transparência em três bancos de desenvolvimento: Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e o Banco Mundial. O objetivo é elucidar diferenças, com foco metodológico nas informações identificadas pelos websites, elucidadas por entrevistas informais com profissionais dessas instituições. A hipótese inicial que se pretende testar é a de que os casos multilaterais oferecem maior grau de institucionalidade em suas práticas de transparência do que o caso nacional, o que se confirma, mas com ressalvas, dadas as limitações metodológicas. A pesquisa também realiza um breve histórico das políticas de disponibilização de informações em posse de órgãos públicos, destacando o papel dos bancos multilaterais nessa trajetória, culminando com a análise das práticas observadas em 2015, revistas em 2017, nas três instituições pesquisadas.

Palavras-chave: Transparência. Desenvolvimento. BNDES. Banco Mundial. BID.

 

Abstract
This paper assesses transparency practices in The National Bank for Economic and Social Development (BNDES), The Inter-American Development Bank (IDB) and The World Bank. Through these cases it aims to elucidate differences in transparency practices, focusing on information and capacities identified by website analyses and interviews with professionals in these institutions. In order to contextualize the framework of practices adopted by the banks, the literature provides a brief history on the availability of information held by public bodies, highlighting the role of multilateral banks in this trajectory. The banks were observed between 2015 and 2017.

Keywords: Transparency. Development. BNDES. World Bank. IDB.

 

– Este artigo resume parte da pesquisa (no prelo) realizada para a dissertação de mestrado no Programa de Pós-Graduação em Relações Internacionais da Universidade do Rio de Janeiro (PPGRI/UERJ). O artigo aqui apresentado também aperfeiçoa os métodos utilizados naquela pesquisa e acrescenta o caso do Banco Interamericano de Desenvolvimento.

 

[1] Doutorando do Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Cultura da Universidade Federal do Rio de Janeiro (ECOPOS/UFRJ), contato: felipesiston@gmail.com.